Como vocês observaram, estou sem postar com a frequência que gostaria aqui, mas é falta de tempo mesmo… Estou tentando resolver este “problema”. Juro!

Contudo, estou há um tempinho querendo compartilhar este vídeo com vocês, que recebi através do meu Facebook. O nome do canal original, onde o vídeo foi divulgado se chama Vídeos para Chorar de Rir. Honestamente, não entendi porque ele foi colocado ali. O garotinho faz uma sequência com o seu professor e deixa todo mundo de queixo caído com a sua agilidade e precisão.

Enfim, vejam e me digam se um filho assim não mataria você de orgulho?

Gostou? Conhece outros vídeos bacanas? Divida com a gente!

Antes de mais nada quero agradecer (pela enésima vez e nunca será suficiente) aos comentários de vocês cheios de carinho e incentivo ao Muay Thai Mulher. É o que me anima! Às vezes, estou meio tristinha e bang, chega uma mensagem para o blog e me alegra o dia. Queria poder fazer mais por vocês! Obrigada por tudo!

Isto posto, vamos à dúvida da leitora Ju, que deixou, no dia 22 de Abril, o seguinte comentário no post ‘Treinamento no saco de areia. É importante e você deve fazer!’:

‘“Pude mostrar a essa aluna também, com calma, as posições e os movimentos corretos para os pisões e para os socos, repetindo cada um e mostrando como o saco respondia quando a execução era certa e quando era errada.”

Como o saco corresponde aos movimentos? Nunca sei se estou fazendo certo ou errado. Fui pro meu 2º mês de Muay e sinto que meu professor deixa muito a desejar nos detalhes dos ensinamentos sobre como dar soco e chute certo… Se poder me explicar agradeço. Adooooooro teu site! :p Beijão agradeço desde já!

Ju’

Ju, a primeira coisa que você deve ter atenção ao chutar ou socar é com o movimento que seus pés fazem. É importante que eles “girem” quando:
- você der socos que forem dados com a “mão que está atrás”, como diretos, por exemplo, (eu também costumo girar os pés nos cruzados, independente da base. Para mim, dá mais pressão ao soco);
- você chutar, não importa com que base.

Ao girar o pé para socar, você ganha mais potência, pois estará, automaticamente, usando o quadril e o peso do seu corpo no golpe. No caso do chute, girar o pé implica em girar o quadril, impulsionando simultaneamente seu corpo para trás, o que vai resultar em mais “alcance” ao movimento.

Chutar, de fato, será um pouco mais complicado no início, pois você terá a sensação de que está sem equilíbrio e é normal. Você estará mesmo! Conforme for treinando, seu corpo vai se acostumar a posição e você encontrará seu ponto de equilíbrio. O alerta fica por conta dos braços. Evite, a todo custo, jogá-los para trás também durante o processo. Lembre-se que sua guarda deve sempre estar alta. Uma dica que pode ajudar é esticar o braço que está na frente na direção do rosto do seu oponente, assim, além de atrapalhar a visão do seu adversário, você também estará se defendendo.

Ao fazer estes golpes corretamente no saco de areia, o movimento do aparelho terá sempre o mesmo ato pendular e devolverá o impacto que você colocar. Quando você sentir o soco ou o chute entrando é porque está certo. Cuidado para não dobrar o punho nos socos e para não ficar na ponta dos pés nos chutes. De resto, com o tempo, você vai ganhar mais confiança e vai colocar mais velocidade e precisão nas pancadas.

Espero ter ajudado a Ju e a todas vocês que têm a mesma dúvida. A sua dúvida não é essa? Não encontrou em outros posts do Muay Thai Mulher resposta para o que está te perturbando? Deixe sua pergunta também!

Aproveitando que esses dias foram de descanso para muita gente, resolvi compartilhar duas dicas úteis com vocês, leitoras (e leitores) do Muay Thai Mulher. Mesmo que você não faça uma arte marcial, vai poder aproveitar também o que tenho para indicar.

Primeira dica:

Toda a mulher que pratica uma atividade física vez por outra se depara com um probleminha: o que fazer com os cabelos? A menos que você tenha um corte muito curto, e ainda assim já vi muitas brigando com uma mecha que cai no rosto aqui e ali,  já deve ter se deparado com esta chatice. Eu mesma já passei por esse problema infinitas vezes, por razões, ou melhor, estilos de cabelos diferentes.

Originalmente, meus cabelos são crespos. Portanto, passei muitos e muitos anos da minha vida usando um rabo-de-cavalo, justíssimo, para que nenhuma parte escapasse ao longo do dia e que à noite tivesse o mesmo cabelo da manhã. Este recurso me causava dois problemas:

1. fazia um rabo tão apertado que, invariavelmente, terminava o dia com dor de cabeça, além de deixar meu cabelo quebrado;

2. na hora de fazer alguma atividade, como alongamento ou abdominais, não conseguia apoiar a cabeça direito. Durante o treino de Muay Thai, aliás, o rabo-de-cavalo não sobrevivia.

Porém, depois que descobri a escova definitiva (olha eu aí contando todos os meus segredos), cortei o cabelo na altura dos ombros e aí veio outro problema: nada prende os fios e toda hora tenho que ficar colocando algumas dessas mechas atrás da orelha. Isso não só no treino, mas até para malhar. E, você sabe, como isso atrapalha!

Faixas de cabeça. (Reprodução Netshoes)

Faixas de cabeça. (Reprodução Netshoes)

Aí, resolvi imitar os jogadores de futebol que usam aquela faixa para prender o cabelo. Gente, não é que resolve! Encontrei no site da Netshoes (não, isso não é um post patrocinado) um pacote da Nike que vem com três dessas faixas de cabeça. Comprei sem muitas expectativas, mas vou dizer: funciona que é uma beleza! Então, se você também sofre ao treinar, ao correr ou ao malhar, tentando tirar o cabelo da cara, vai nessa! Não machuca a cabeça, porque a faixa é feita de borracha, e prende mesmo o cabelo.

Você pode usar por baixo, como se fosse um arco; ou por cima, como alguns jogadores usam. Essa segunda opção, não funcionou para mim, por que o cabelo ficou saindo. Mas, é válido também se seu cabelo é liso.

Segunda dica:

A indicação agora é para relaxar. Tanto para quem malha ou corre ou pratica artes marciais. O objetivo aqui é aliviar a tensão e alivia mesmo. Comprei, também na Netshoes, um massageador de pés que funciona com simples pilhas AA. Você, às vezes, nem se dá conta de o quanto eles sofrem. E esse aparelho é uma solução rápida e prática para você dar um carinho neles.

Massageador para os Pés. (Reprodução Netshoes)

Massageador para os Pés. (Reprodução Netshoes)

Esse massageador é pequeno e dá para guardar em qualquer lugar. Você liga com os pés mesmo e sente aquela vibração na sola, podendo deslizá-la pelas duas fileiras de rolinhos. É uma delícia e relaxa bastante!

Então, como sempre tento dividir com vocês o que acho que pode ajudar, estão aí mais essas duas diquinhas para usar durante e depois dos treinamentos. Espero que tenham sido úteis!

Você tem alguma dica também? Já experimentou um desses produtos? O que achou? Divida sua opinião com a gente aqui no Muay Thai Mulher.

Como eu sempre digo aqui no Muay Thai Mulher, você não precisa querer ser um lutador para treinar Muay Thai e muito menos ter um instinto “violento”, como muita gente pensa que seja a tônica deste e de outros esportes, em que o contato físico faz parte da regra.

Lutadores sérios e mestres conscientes instruem seus alunos na direção contrária a tudo o que pode fazer aflorar em seus discípulos instintos de brutalidade gratuita. A primeira coisa que ensinam – e enfatizam – é o respeito ao próximo e a jamais utilizar a arte para instigar ou provocar qualquer ato de violência.

Meu irmão, André Benkei, que é preparador físico de MMA, compartilhou a imagem abaixo do perfil da Furions Fight Team no Facebook e eu gostaria de dividir com vocês, pois ela expressa exatamente o caráter exigido dos praticantes, não só de Muay Thai, mas de qualquer luta.

Os 10 mandamentos do Muay Thai.

Os 10 mandamentos do Muay Thai. (Reprodução Facebook/Furions Fight Team)

Eu sempre me recordo dos treinamentos quando meu mestre, Alessandro Souza, fazia questão de repetir esses mandamentos, não só verbalmente, mas, principalmente, no dia a dia da atividade. Nenhum aluno, mais ou menos graduado, é privilegiado de alguma forma e ninguém é excluído de nenhum tipo de exercício. Mais graduados treinam com menos graduados e todos devem se respeitar, sejam homens, mulheres ou crianças.

Certamente, tais diretrizes fariam toda a diferença no comportamento de atletas, renomados ou não, dentro e fora de seus locais de competição. Aliás, estes ensinamentos nada mais representam do que o comportamento desejado para qualquer cidadão de bem!

Você segue estes passos na sua vida? Já viu algum aluno de Muay Thai desrespeitar essas regras dentro ou fora do tatame? Divida conosco, aqui no Muay Thai Mulher!

Fico muito feliz que o universo das lutas tenha se aberto para a mulherada. A última edição do UFC está aí para provar. Quando eu comecei, há quase 12 anos, só o fato de colocar uma atadura na mão já causava estranheza e olhares tortos de muita gente na academia. Mas, com o tempo, muitas daquelas pessoas que me olhavam com preconceito estão hoje nos tatames, fazendo seu treininho.

Porém, uma coisa nessa “popularização” toda do Muay Thai como atividade física me chateia: a fim de reforçar a ideia de que a mulher não precisa virar “macho” para treinar, cria-se uma “glamourização” do treinamento. O resultado é que muitas meninas vão procurar as aulas e se deparam com uniformes horríveis, suor, roxidões e se espantam porque as revistas e as matérias não mostram nada disso. Mostram, sim, moças saradinhas, arrumadinhas (como nessa reportagem com uma ring girl e tantas outras), maquiladas, com roupas atraentes, chutando um saco ou dando um “soquinho” numa manopla. Como consequência dessa decepção muitas passam o tempo todo reclamando, nunca mais voltam e saem dizendo que a aula é “muito agressiva”.

Portanto, mais uma vez, sou obrigada a informar que luta não é glamour! Você não precisa treinar para competir, mas ainda assim, treino é treino! Não vá fazer uma aula esperando suar um pouquinho, fazer três ou quatro movimentos, retocar o batom e emagrecer no fim. Para conseguir o efeito esperado, você vai suar MUITO, vai se descabelar, vai ficar com dores em todos os lugares do corpo, vai ganhar uns roxos também, vai dar pancada e vai receber! O TREINAMENTO É ASSIM!

Por isso, caso você queira mesmo fazer uma aula – e eu dou todo o meu apoio – é preciso que a realidade da atividade seja do seu conhecimento. Não se deixe enganar! Luta é luta, seja qual for o seu objetivo. Você não precisa perder sua vaidade, nem sua feminilidade, mas no tatame não há espaço para unhas grandes, brincos, anéis, piercings… como já falamos aqui no Muay Thai Mulher. Quando estiver treinando, concentre-se no que está fazendo e não se seu cabelo está embaraçado. Dessa forma, você vai tirar o melhor da aula e ficar mais perto do corpo sarado que almeja e, aí sim, vai poder usar todos os shortinhos, anéis, maquiagens e aparatos que quiser! Tá aí a Ronda Rousey que não me deixa mentir!

Ronda Rousey prova que dá pra lutar e ser "mulherzinha". Mas na hora do tatame...

Ronda Rousey prova que dá pra lutar e ser "mulherzinha". Mas na hora do tatame...

Você se assustou na sua sua primeira aula ou já esperava? Viu alguém estranhar o treino? Divida conosco aqui no Muay Thai Mulher.

Para as moças leitoras do Blog Muay Thai Mulher que, ao contrário de mim, sonham em subir no ringue para lutar, hoje é um dia bem especial: pela primeira vez em sua história, o UFC vai apresentar uma luta entre mulheres.

Na noite em que o Ultimate traz o confronto entre Lyoto Machida e Dan Henderson, que pode dar ao brasileiro o direito de lutar pelo cinturão dos meio-pesados no UFC, a grande atração do evento será mesmo o primeiro combate feminino da franquia. As moças já estão trocando seus socos e pontapés há algum tempo em outras “ligas”, mas a chegada delas à “maior de todas”, ou seja, ao UFC, demostra que as mulheres vieram mesmo para ficar e começam a marcar seu território em um ambiente, até então, essencialmente masculino.

A honra deste momento histórico caberá às lutadoras Ronda Rousey, medalhista olímpica no judô e última campeã peso-galo do Strikeforce, e Liz Carmouche, que é a 7ª colocada do ranking mundial do Peso Galo Feminino. A expectativa para a luta é tão grande que o combate irá encerrar o UFC 157.

Ronda Rousey e Liz Carmouche se encaram sob o olhar atento de Dana White (Reprodução SporTV/UFC)

Ronda Rousey e Liz Carmouche se encaram sob o olhar atento de Dana White (Reprodução SporTV/UFC)

Portanto, meninas, se vocês sonham em chegar lá, não desanimem! Estão aí duas lutadoras que podem servir de exemplo e inspiração para vocês. Ah, o SporTV vai transmitir sete lutas (além de acompanhar todas no site, em tempo real), mas as principais estarão no canal Combate. Enfim, um programa imperdível para quem curte MMA!

Você vai ver a luta? Deixe seu comentário sobre o resultado aqui no Muay Thai Mulher.

Esta semana me deparei com a seguinte notícia: Adolescente morre após aula de muay thai em academia de BH. Não é a primeira vez que leio algo assim e nem você, com certeza. Por isso, resolvi aproveitar este fato infeliz para, mais uma vez, fazer alguns lembretes sobre as aulas. Até mesmo porque este também é um assunto bastante solicitado nos comentários do Muay Thai Mulher.

Não há um limite de idade para se começar o Muay Thai, nem para mais, nem para menos, mas é preciso respeitar alguns limites, do seu corpo, da sua idade e também dos seus treinamentos. É sempre bom, antes de qualquer atividade física, você ter a noção dos impeditivos que podem atrapalhar o seu rendimento. Se você tem alergias, anemia, alguma lesão recente, um incômodo crônico, está grávida e coisas assim, é preciso redobrar a atenção ao fazer qualquer exercício. Especialmente um de intensidade elevada como o Muay Thai. Fazer uma avaliação médica para saber suas condições é sempre o mais indicado.

Porém há outras situações que ocorrem com bastante frequência e que são, muitas das vezes, as causas de fatalidades como essa da qual tomamos conhecimento através da notícia acima. A primeira delas é a obsessão por emagrecer ou por estar seco. Já vi gente falando para mim antes das aulas que estava sem comer ou que tinha comido apenas uma barrinha de cereal para queimar bem na aula e perder peso. Isso é um grande erro! Ainda que você não treine na intensidade máxima ou não faça uma aula voltada para competição, os treinos, por si só, são fortes: aquecimento, abdominais, combinações, sombras… Para isso é preciso ter energia. Energia que vem da alimentação. Claro, você não vai comer uma barra de chocolate antes do treino. O que você vai arrumar com isso é uma hipoglicemia, já que seu corpo precisa de energia para ‘quebrar’ o açúcar do doce. No início, você pode até sentir um ‘gás’, mas depois vai ficar sem forças. É preciso, sim, comer antes de treinar. Um sanduíche leve ou um suplemento. Mas sempre coma algo, pelo menos, até meia hora antes de uma atividade física.

A segunda situação pode até vir combinada com a primeira, o que faz dela mais grave: treinar sob o efeito de um termogênico ou algo parecido. Não há problema, se usados corretamente. O que pouca gente faz é saber como isso funciona. Tomar um produto desses – que acelera o metabolismo – ajuda, sim, na performance, contudo, você deve observar algumas coisas como alimentação, que deve ser equilibrada e saudável; e evitar alimentos que contenham estimulantes naturais como café, granola, guaraná… caso você tenha algum problema cardíaco ou mesmo respiratório, a combinação desses dois produtos pode não fazer bem. Então, fique atenta(o)!

Uma terceira questão a ser tratada é a intensidade da sua aula. Sempre digo isso aqui: analise se o nível do treino é para você e se o mestre tem a sensibilidade de lidar com os alunos de formas diferentes. Como as artes marciais, em especial o Muay Thai, viraram febre nas academias, o treino é mesclado e coloca no mesmo grupo pessoas de idades, habilidades e interesses diferentes. O professor tem que saber dosar os exercícios e fazer atividades adequadas para cada grupo. Há aqueles que treinam para competir e os que treinam para manter a forma – como é o meu caso, vocês sabem – e isso deve ser levado em consideração ao se escolher o local a ser frequentado. Existem as academias especificamente dedicadas a formar atletas de luta, se este é o seu interesse, essa é a sua escolha. Mas, se não for, caso você comece a frequentar essas aulas, poderá, sim, sofrer consequências físicas e até emocionais em virtude de um treino muito puxado.

Portanto, em resumo: para você frequentar um treino de Muay Thai (ou qualquer outro) é preciso:

1. Saber suas reais condições físicas;
2. Estar corretamente alimentado;
3. Conhecer os produtos que se está tomando; e
4. Escolher o tipo de treinamento que serve melhor para seu corpo e seus objetivos.

Com isso em mente, você só terá que se preocupar com seus movimentos, sua força, agilidade e técnica, pois o resto estará garantido! Siga essas regrinhas e bom treino!

E você? Já cometeu alguma dessas ‘infrações’? Já viu alguém passar mal na aula por algum desses motivos? Divida com a gente aqui no Muay Thai Mulher.

Com alguns dias de atraso, gostaria de dividir com vocês uma notícia que foi motivo de muita alegria esses dias. Meu mestre, Alessandro Souza, e minha amiga e parceira de treino, Izabela, comemoraram a chegada de seu primeiro filho: Alessandro Filho.

Tá aí o futuro campeão de Muay Thai

Tá aí o futuro campeão de Muay Thai

O futuro lutador, afinal pai e mãe são praticantes e membros da Liga Carioca de Muay Thai, veio ao mundo às 12h09m, do dia 2 de janeiro, pesando 3,160 kg e 48 cm.

Como ainda não consegui encontrar um tempinho para visitar meus amigos queridos, queria prestar aqui, no Blog Muay Thai Mulher, essa homenagem ao casal, que faz parte da minha trajetória no esporte. Mestre e Iza, vou tirar uma casquinha do post da Fight Brazil Training Center, que divulgou a foto do moleque no perfil do Facebook da equipe, e desejar mais uma vez saúde e muita felicidade para o garotão!

E você? Conhece casais formados graças ao ? Divida a história conosco aqui no blog!

Feliz ano novo!!!! Que 2013 seja cheio de vitórias para todos!

Posted: 28th dezembro 2012 by alessandraaferreira in Depoimentos
Tags: ,

Queridas – e queridos – leitoras (es).

Sei que estou em falta com vocês!

Nestes últimos meses, algumas coisas aconteceram – coisas boas – na minha vida profissional que tomaram bastante do meu tempo.

Agora, que meus horários e minha rotina estão mais ‘certinhos’, prometo a vocês que meus posts voltarão a ser constantes! Mas, antes disso, não poderia deixar de desejar a todos e às suas famílias um ano novo maravilhoso e cheio de conquistas!

Vamos deixar em 2012 tudo que foi ruim, para encher 2013 de coisas novas e que nos darão muito mais felicidades!

Continuamos na batalha e nos veremos bastante ano que vem!

2013 - Feliz ano novo!

2013 - Feliz ano novo!

Por que dizemos que Muay Thai não é ballet?

Posted: 7th setembro 2012 by alessandraaferreira in Depoimentos
Tags: , , , , ,

Vamos lá! Não quero causar nenhum mal-estar, nem propor um confronto entre estilos de atividade física. Porém, parece que o fato de ter feito comparações entre o Muay Thai e o Ballet causou um certo desconforto em algumas leitoras que praticaram a dança e acharam que fui um pouco deselegante. Então, vou aproveitar para esclarecer as coisas, evitando assim qualquer mal-entendido que possa ter acontecido aqui no Muay Thai Mulher.

Para começar a conversa, acreditem ou não, eu mesma fiz ballet. Na minha infância, frequentei as aulas que minha escola oferecia e, modéstia à parte, me saía muito bem, como vocês podem ver na foto abaixo. Eu sou a da frente. Mas, quando mudei de escola, comecei a me interessar por esportes e deixei o ballet. Na minha adolescência, antes de começar a malhar, também fiz jazz algum tempo. Portanto, tendo praticado as duas modalidade, estou à vontade para comparar.

Eu dançando ballet (sou a da frente).

Eu dançando ballet (sou a da frente).

Todo mundo sabe – especialmente depois de ‘Cisne Negro’ - que vida de bailarina realmente não é fácil. É preciso muita dedicação, horas e horas de treino, dedões do pé esfolados, uma dieta rígida e muita disciplina. Com menos intensidade, mas dedicação e concentração semelhantes, encontramos os praticantes do tai chi, que exercitam a mente e o corpo com total comprometimento.

Portanto, quando o meu mestre dizia: ‘atenção, você não está no ballet, nem no tai chi chuan’, não estava (assim como eu) querendo fazer pouco de nenhuma dessas atividades. Ele estava fazendo menção às diferenças de objetivo entre elas e o Muay Thai.

Muita gente esquece que apesar de estar na moda usar a modalidade para outros fins diferentes da luta, é isso que a atividade é: uma arte marcial. É preciso que você esteja preparado para bater, defender e, eventualmente, apanhar; por mais que você treine para manter a forma (e já falamos milhares de vezes sobre isso aqui). Mesmo alusões aos movimentos de uma luta com uma dança são metafóricas.

No post anterior a esse, fiz referência aos pés da atriz Fernanda Souza. Ela está chutando na ponta do pé. Aí, entra a comparação com o ballet. Você não precisa ter amplitude no chute, precisa é ter a postura, que foi tema do post.

Igual comparação é feita quando alguém reclama dos exercícios com manopla ou escudo, porque o parceiro chutou ou socou mais forte. Muay Thai é contato, não é delicadeza (neste sentido da pancada). Então, não adianta treinar com gestos delicados, sem firmeza no punho, batendo fraco no saco de areia e sair reclamando que a mão está doendo. É neste sentido que dizemos que ‘isso não é ballet’.

Muitas meninas começam a praticar a atividade (e eu já vi várias no meus anos de treino) pela moda, não entendendo que apesar de ser um treinamento, há impacto, há força e há agressividade – obviamente, dentro do nível normal de exercício – acabam se assustando e abandonando a aula. Aliás, esclarecer esses detalhes é um dos principais objetivos do Muay Thai Mulher e não desmerecer qualquer outra prática esportiva. Caso tenha ficado mal explicado, desculpem-me.

Eu depois do treino, muitos anos depois das aulas de ballet.

Eu no treino, muitos anos depois das aulas de ballet.

Assim, se você também ficou incomodada com alguma comparação, peço que compreenda que nunca foi feita de forma desrespeitosa, mas apenas como parâmetro de diferença entre uma prática e outra; da mesma forma que não podemos comparar o treinamento de futebol com o de vôlei, por exemplo. Se um jogador pegar a bola com a mão numa pelada, provavelmente alguém vai gritar para ele ‘vai jogar vôlei’ e vice-versa. O importante, como sempre digo aqui, é que você encontre a atividade que seja melhor para seu jeito e seus objetivos e se escolher o Muay Thai saiba que chutar na ponta do pé não pode, isso é coisa de ballet. ;-)

Você acha que é possível comparar luta e dança em todos os níveis? Na sua turma, existem alunas que reclamam muito das atividades? Deixe sua opinião aqui no Muay Thai Mulher.